CPA



O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES, instituído pela Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004 e regulamentado através da portaria MEC nº 2.051, de 09 de julho de 2004, tem por objetivo promover a melhoria da qualidade da educação superior, a orientação de expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional, de efetividade acadêmica e social e, principalmente, dos seus compromissos e responsabilidades sociais.

Diante da proposta de um sistema integrado e inovador, a FARO constituiu a primeira Comissão Própria de Avaliação - CPA no ano de 2006 com vigência de dois anos. A segunda Comissão foi recomposta no ano de 2009. A Comissão eleita em reunião do Conselho Superior, teve  seus membros nomeados através da Resolução nº 039/2009. A terceira Comissão, em exercício, eleita também em reunião do Conselho Superior, realizada em 25 de fevereiro de 2011 com mudança total de seus membros, foi nomeada pela Resolução CSA - de nº 02/2011, tendo sua composição paritária, em atendimento à Legislação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES.

 

O CPA Comissão Própria de Avaliação da FARO, se constitui em um referencial que norteia as ações da IES no que consiste na melhoria permanente da qualidade da Educação Superior, à orientação da expansão de sua oferta, ao aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social, ao aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais, por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e da identidade institucional.

 

Os princípios que norteiam o Projeto de Avaliação Institucional da FARO:

  1. Extensão: necessidade de avaliar todo o complexo de atividades;
  2. Interrelacionamento: busca uniformidade básica de metodologia entre seus indicadores e as dimensões da avaliação externa;
  3. Legitimidade: tem legitimidade técnica, conduzindo os projetos de forma transparente, viável e confiável;
  4. Continuidade: garante a continuidade permanente do processo;
  5. Subsídio: fornece informações fidedignas à Administração Superior para a tomada de decisões com qualidade.

Variáveis e  Indicadores Avaliados na FARO:

  1. Docentes: titulação, forma de ingresso, regime de trabalho e qualificação;
  2. Discentes: participação em projetos (como bolsistas, colaboradores, voluntários), participação em conselhos, colegiados e reuniões estudantis;
  3. Infraestrutura: condições ambientais de trabalho e estado de conservação e disponibilidade dos equipamentos para trabalho dos funcionários;
  4. Gestão: procedimentos de distribuição de disciplinas, acompanhamento do coordenador no desenvolvimento das disciplinas, orientação acadêmica para alunos ingressantes, atendimento dos servidores ao acadêmico, incentivo à qualificação, atuação em colegiados e conselhos, ações para solução de problemas acadêmicos e avaliação da existência e da qualidade do acervo suficiente.
  5. Insumos: relação professor/ensino, professor/alunos e funcionário/gestor, planejamento do professor e da coordenação, procedimentos e instrumentos didáticos mais utilizados, instrumentos de avaliação mais utilizados, coerência da avaliação com os objetivos e encadeamento lógico das disciplinas;
  6. Pessoal Administrativo: titulação, satisfação com a IES, relacionamento com discentes, docentes e demais colegas de trabalho.

Ações Desenvolvidas pela CPA

As ações avaliativas, assim como a divulgação dos resultados, acompanham a agenda de atividades da CPA, bem como o projeto de auto-avaliação da IES.

A implementação da avaliação institucional, de acordo com a proposta do SINAES, pressupõe a definição de etapas coordenadas para o desenvolvimento das atividades: A preparação, o desenvolvimento e a consolidação. Assim, as atividades desenvolvidas consistem em reuniões com membros da CPA, de sensibilização e seminários envolvendo discentes, docentes e funcionários do corpo administrativo, na confecção da agenda de trabalho, confecção de instrumentais de coleta de dados, do novo projeto de autoavaliação, aplicação das avaliações aos alunos, funcionários, professores bem como sistematização das avaliações aplicadas e encaminhamento do relatório síntese à Coordenação Acadêmica, com apresentação de informações necessárias para a identificação de oportunidades de melhoria e implementação de plano de ações que venham minimizar as problemáticas diagnosticadas.

 

Metodologia

A autoavaliação da FARO organizada pelos membros da CPA e dos sub-grupos das dez dimensões avaliadas, tem a seguinte estrutura: Anualmente, o corpo docente, discente e corpo técnico-administrativo avaliam a IES e semestralmente, os acadêmicos avaliam o corpo docente referente ao processo ensino-aprendizagem, através de questionários impressos e/ou on-line no portal FARO. Os instrumentos para coleta de dados são definidos em reuniões com os membros da CPA e membros dos sub-grupos, onde para cada  seguimento um questionário específico é desenvolvido e  adaptado ao seu papel na instituição.

Quanto à metodologia por instrumento, a CPA considera as dimensões estabelecidas pela Lei 10.861/04 e, como em seu teor, orienta a própria legislação, outras perguntas são elaboradas a partir das especificidades da cultura regional e organizacional.

 

Legislação e Documentos Oficiais

Lei 10.861, de 14 de abril de 2004 – Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências.

Portaria 2.051, de 9 de julho de 2004 – Regulamenta os procedimentos de Avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES.

CONAES (Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior) – Orientações Gerais para o Roteiro da Auto-Avaliação das Instituições.

Sugestão de roteiro para elaboração do relatório de auto-avaliação.

Anualmente, a CPA estabelece Relatório Institucional apresentando os resultados de suas ações, conforme links abaixo:

Relatório Anual 2013

Relatório Anual 2014

Relatório Anual 2015

Relatório Anual 2016