Mensalidade da faculdade: 4 dicas para estudantes para pagar sem stress

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

A família está com as contas apertadas, você está terminando o ensino médio e pensando em como pagar a mensalidade da faculdade? Não deixe que isso tire seu foco da aprovação no vestibular, porque pagar sua graduação é perfeitamente possível.

Basicamente, você tem 4 formas de conseguir pagar as mensalidades sem aperto: reorganizando seu orçamento, trazendo novas rendas mensais, sendo aprovado em algum plano de financiamento estudantil ou ganhando uma bolsa de estudos da própria instituição.

Vamos ver em detalhes cada um desses caminhos? Então confira este post e faça seu sonho se tornar real com estratégia e planejamento!

1. Organizando suas finanças

Você está trabalhando, mas não vê o resultado de seu esforço na conta bancária? Bem, isso pode estar relacionado ao fato de sua vida financeira ser um verdadeiro caos. Então, que tal colocar a casa em ordem?

Controle suas despesas e receitas

Comece listando todas as suas despesas e receitas em uma planilha. Ou, melhor ainda, em um software de orçamento doméstico. Isso dará clareza sobre a utilização dos seus recursos.

Controlar o que você ganha é uma questão de hábito. E não tê-lo faz seu dinheiro evaporar. Sabia que mais de 40% dos brasileirosnão sabem bem quanto ganham, e cerca de 34%, não sabem quanto gastam todos os meses?

A consequência é jogar uma cortina de fumaça nos pontos em que é possível melhorar. Afinal, se nem sequer conhecemos nossas receitas e despesas, como identificar gastos supérfluos, estabelecer metas de economia e viver conforme o nosso padrão de vida?

Então, vamos lá, coloque todos os seus ganhos e gastos na planilha, sem desprezar o cafezinho, a saidinha do sábado à noite ou aquela pizza com os amigos.

Corte gastos supérfluos

Separe suas despesas em 3 categorias: necessárias, úteis e supérfluas. Necessário é o que não dá para viver sem; útil é o que traz benefícios e supérfluo é o que pode ser riscado do orçamento sem medo.

Veja quais desses gastos supérfluos você pode cortar. Ligue também para todos os fornecedores de serviços mensais (como TV a cabo, plano de dados e academia), buscando renegociar os valores cobrados — ou fale com os seus pais para fazer isso, caso eles sejam os responsáveis pela conta. Uma simples ligação costuma resultar em descontos de até 50%. E isso pode fazer a diferença na hora de pagar a mensalidade da faculdade.

Além disso, é importante olhar as despesas úteis que se tornarão supérfluas após o início da faculdade. Se você pretende estudar e trabalhar, por exemplo, talvez não haja tanto tempo assim para assistir a TV a cabo. Quem sabe não será melhor investir em um serviço com mais flexibilidade de horários.

Renegocie suas dívidas mais caras

Procure entender quais dívidas consomem a maior quantidade de recursos quando são mantidas. Se você, mês a mês, permanece no cheque especial ou recorre ao crédito rotativo, o dinheiro da sua faculdade pode estar na mão do seu banco. Já parou para pensar nisso?

O motivo é que os empréstimos bancários de curto prazo — que a pessoa faz em um mês para pagar no outro — costumam ter um preço muito alto. Por exemplo, R$100,00 no cheque especial transformam-se em aproximadamente R$125,00 no mês seguinte e, após 1 ano, em R$327,00, considerando os juros de mercado.

O que fazer com essas dívidas? Se você não consegue fechar o mês sem depender de empréstimos, procure a agência bancária e faça um parcelamento que caiba no seu bolso. E, obviamente, tome providências para economizar.

Estabeleça metas de economia

Crie pequenos desafios para reduzir despesas variáveis, como luz, água, pacotes de internet, compras de supermercado e telefone. Aqui, de contar o tempo embaixo do chuveiro até ativar a economia de dados do smartphone, há ampla variedade de coisas que podem ser feitas.

Você certamente deve ter um amigo que é mestre em encontrar os wi-fis da cidade e o primeiro a pedir a comanda separada quando chega no restaurante, não é mesmo? São essas pequenas economias que, ao final, farão a diferença para pagar a faculdade.

Se estiver difícil, vá aos poucos. Você pode se motivar a fazer pequenas economias, dividindo o benefício meio a meio: uma parte para as despesas e outra para opções de lazer. Assim, ficará mais fácil cumprir as metas.

Enfim, o segredo é identificar os gastos que aumentam conforme nosso uso e pensar o que é possível fazer para melhorar. Tire alguns minutos e faça uma lista!

Viva segundo o seu padrão de vida

Identifique o quanto você realmente pode gastar todos os meses e desenvolva hábitos de consumo sustentáveis, considerando a sua realidade financeira. É o que fará a diferença para colocar as outras dicas em prática e pagar mensalidade da faculdade. Vamos lá?

Primeiro, pegue todas as anotações sobre os gastos mensais e classifique os valores:

  • despesas pessoais: água, luz, alimentação, aluguel, internet etc.;

  • investimentos e poupança: gastos com educação e reservas financeiras e aplicações;

  • lazer: cinema, churrasco, passeio no final de semana etc.

A seguir, pense em modelo ideal, ou seja, como seu orçamento precisa estar organizado para que você consiga identificar o quanto é possível gastar todos os meses.

Não há uma única fórmula, os autores de educação financeira trazem modelos que variam entre os seguintes percentuais:

  • de 45% até 60% para as despesas pessoais;

  • de 15% a 35% para investimentos e poupança;

  • de 5% a 35% para lazer.

Assim, o seu objetivo determinará a melhor divisão. Se você está pensando em como pagar a faculdade, aperte os cintos e corte despesas pessoais e lazer em prol do investimento em educação.

Em muitos casos, isso significará uma verdadeira mudança no padrão de vida. É comum as pessoas saírem de residências nas quais as despesas pessoais ultrapassem 60% do orçamento, por exemplo.

No entanto, o segredo também pode estar em aumentar as receitas. Vamos a elas!

2. Buscando novas receitas

Se você mexeu e remexeu em suas finanças e não viu nenhuma luz no fim do túnel, o plano B é acrescentar novas rendas para você. Algumas possibilidades:

Preste serviços que aproveitem suas habilidades

Com certeza há algo que você sabe fazer que seria de interesse de outras pessoas. Por exemplo, se você fala inglês, pode dar aulas particulares. O mesmo vale caso você saiba dançar, tocar algum instrumento musical ou domina alguma atividade esportiva (como artes marciais). Você pode também dar aulas de reforço em alguma disciplina que você conheça bem.

Caso você tenha alguma dessas habilidades, é possível anunciar seus serviços em sites específicos, como o Superprof. Pode ter certeza de que sempre haverá alguém querendo aprender o que você conhece. E, de quebra, isso vai te ajudar (muito) a pagar a mensalidade da faculdade!

Quem fez ensino médio técnico, em alguma área específica, também pode tirar vantagem nesse momento crucial da vida: um técnico em Design Gráfico, por exemplo, pode conseguir excelentes vagas como freelancer em sites, como 99FreelasGetNinjas99Designs e WeDoLogos

Na verdade, é possível, até mesmo, pensar aprender algo novo para criar um pequeno empreendimento. Você pode fazer e vender doces, bolo de copo ou artesanato, bem como revender algum produto, tudo para aumentar as receitas.

Trabalhe como freelancer

As atividades de freelancer merecem um tópico especial, pois a internet criou diversas oportunidades. Na verdade, em algumas plataformas, já é possível obter serviço de maneira recorrente, dando maior previsibilidade quanto aos ganhos no final do mês.

Nesse modelo, uma empresa negocia com os contratantes e disponibiliza tarefas para os seus usuários. Trata-se de algo diferente dos sites que funcionam como ponto de encontro, em que o freelancer terá de anunciar o serviço e chegar a um acordo por conta própria.

Os serviços cresceram bastante na área de produção de conteúdo. Afinal, alguém precisa criar os textos, vídeos, podcasts e imagens que você encontra nos blogs e redes sociais das empresas, não é mesmo? No entanto, também é possível prestar serviços mais convencionais, como assistência técnica, reformas e jardinagem.

Para se tornar um freelancer, os passos são os seguintes:

Identifique um serviço

Pense o que você é capaz de fazer ou que poderia aprender. Uma dica para quem estará na faculdade é focar na produção de textos e outros materiais relacionados ao curso.

Conheça os requisitos

Entre as diversas plataformas, existem aquelas que são pontos de encontro, em que freelancer e contratante negociam entre si, como a 99Freelas e GetNinjas. Já outras trabalham com serviços recorrentes, como a Rock Content e a Textbroker.

O ideal é consultar os requisitos e as opções de cada plataforma. Assim, é possível conhecer as regras para submeter avaliações e integrar as equipes.

Faça as qualificações gratuitas

Atualmente, as próprias empresas que fazem essa mediação entre clientes e freelancers oferecerem opções para você se qualificar nas atividades, como cursos, certificações, ebooks e textos em blogs.

Monte um portfólio

Reúna alguns conteúdos em um portfólio. Isso facilitará a obtenção de contratantes, principalmente nas páginas em que a negociação é direta entre freelancer e interessado. Afinal, o cliente terá uma noção do serviço.

Veja se é possível trabalhar em sua própria faculdade

Não são poucas as instituições de ensino superior que contratam seus próprios estudantes para alguns postos administrativos, como recepção na biblioteca ou monitoria em salas de aulas.

Informe-se na Seção de Alunos de sua faculdade se há algum programa para contratação de alunos, uma vez que essas vagas oferecidas costumam ser de meio período e, em geral, são perfeitas para serem conciliadas com seus estudos (você não terá que perder horas por dia no deslocamento trabalho-faculdade, por exemplo).

Aproveite sua matrícula na faculdade para já começar um estágio na área

Vencer na vida exige coragem. Muitos estudantes conseguiram pagar a mensalidade da faculdade tomando dinheiro emprestado para matrícula, acreditando que o início da graduação abriria mercado para fazer um estágio e, desde cedo, já começaram a atuar na área. Trata-se de uma ação audaciosa, mas bastante inteligente.

Como a maior parte das empresas e escritórios não costuma contratar estudantes do 1º ano, uma dica especial é voltar suas atenções, nos 2 primeiros anos, aos processos seletivos dos órgãos públicos (porque estes, usualmente, não fazem exigências quanto à experiência e/ou tempo de graduação).

Isso vale, especialmente, a quem quer fazer Bacharelado em Direito, com relação às frequentes contratações de estagiários pelo Tribunal de Justiça, Tribunal Regional do Trabalho, Tribunal Regional Federal etc. Fique de olho nesse caminho mais curto para encorpar sua renda e pagar a mensalidade da faculdade com muito mais segurança!

3. Indo atrás de financiamentos

Bom, você tentou organizar suas contas, mas viu que não sobrou nenhum dinheiro; buscou também encontrar novas formas de renda, mas, até agora, nenhum resultado positivo. O momento então é pleitear auxílio governamental, seja por meio do Prouni ou do FIES.

Tente uma bolsa por meio do Prouni

Muitos estudantes desconhecem esse viés, mas é possível solicitar bolsa no Programa Universidade para Todos (Prouni) mesmo durante o curso! O processo é o mesmo de quem ainda está buscando a conquista da vaga em alguma universidade: você deve fazer o ENEM, obter nota igual ou superior a 450, não zerar na redação e não ter um diploma de curso superior.

Você também precisa atender a pelo menos um dos seguintes requisitos:

  • ter cursado ensino médio completo em escola pública;

  • ter cursado ensino médio em instituição privada com bolsa integral;

  • ter feito parte do ensino médio em escola pública e o restante em instituição particular com bolsa integral;

  • apresentar alguma deficiência;

  • ser professor da rede pública de ensino.

Há ainda regras ligadas à sua condição socioeconômica:

  • renda familiar máxima de até 1,5 salário mínimo para bolsa integral (100% da mensalidade);

  • renda familiar máxima de até 3 salários mínimos para bolsa parcial (50% da mensalidade).

Tente um financiamento com o FIES

Lançado em 1999, o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Governo Federal voltado a auxiliar estudantes de baixa renda a pagar uma universidade particular.

As condições para participação no FIES são similares ao Prouni: renda familiar bruta mensal de até 3 salários mínimos, nota mínima de 450 no ENEM e nota acima de zero na redação.

As baixas taxas de juros (incomparáveis em relação às taxas praticadas no mercado em empréstimos pessoais e financiamentos estudantis privados) e o prazo extremamente longo para quitar a dívida são alguns dos atrativos desse programa.

Vale a pena lembrar que as regras do FIES sofreram mudanças em 2018. Veja aqui o que foi alterado.

4. Ganhando um desconto diretamente na faculdade

Algumas instituições de ensino superior são tradicionais pelos seus resultados em campeonatos esportivos, oferecendo bolsas de estudo aos alunos que participam regularmente de treinos e competições (representando a faculdade).

Outras têm política de concessão de bolsas de estudos com base no perfil socioeconômico ou mediante a aprovação em um processo seletivo interno. Seja qual for a motivação, vale a pena buscar informações sobre esses descontos, já que é uma forma mais tranquila de pagar a mensalidade da faculdade ao longo do curso.

Gostou do conteúdo? Que tal conhecer um pouco mais sobre os cursos superiores e receber dicas feitas especialmente para quem deseja ingressar na faculdade? Siga nossas páginas no Facebook e no YouTube!

Quer receber conteúdos que vão te ajudar na escolha da carreira?

Cadastre-se e receba por e-mail conteúdos exclusivos e em primeira mão!

Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter